Radio Liberdade

Publicidade



Onaldo Queiroga

Coluna Crônicas por Onaldo Queiroga

Onaldo Queiroga é pombalense - Juiz da 5ª Vara Cível da Capital - Escritor de vários livros. CONTATOS: onaldoqueiroga@oi.com.br



  • "O tempo e a ferrugem da vida"

    Publicado em Nov 29, 2014

    Disse um poeta que o tempo sempre é menino. Verdade. Passam os anos, chegam os cabelos brancos, amadurecemos, as articulações sinalizam a fatiga da longa caminhada, mas ele, o tempo, nunca envelhece.

    O tempo nos conduz pelo mundo, minuto a minuto. De mãos dadas com ele atravessamos crepúsculos, noites sem estrelas e lua, escuridões, tempestades e esquinas de ingratidões. Mas, o mesmo tempo também nos leva a conhecer noites claras, banhadas pela luz exuberante da branca lua. Noites sonoras, de notas encantadoras que surgem do dedilhar das cordas de violões seresteiros que cantam o amor e alimentam sonhos de casais de enamorados.

    Será que o tempo é Deus, Senhor que de tudo faz e pode? Ele conduz nossas vidas, às vezes caminha lento, deixa a sensação de que não passa, mas quando menos esperamos, basta olhar para trás e logo percebemos que ele voou, passou rápido e ainda no trajeto saiu talhando rugas no nosso rosto.

    Talvez a ganância costurada pela vontade de sempre se lutar, lutar a todo custo para alcançar sonhos materiais esteja fazendo com que o ser humano não perceba o quanto o tempo é veloz, o quanto é efêmero, porém, sempre menino.

    No galope desse tempo, muitas vezes quando constatamos que ele passou, então, começa aí a aflorar a idéia de que poderíamos ter corrido menos e usufruído melhor os dias, vivenciado com mais tranqüilidade o caminhar da vida com a família, estendido mais a mão aos nossos semelhantes, abraçado com maior intensidade nossos pais, andado devagar pelas areias da praia, contemplando a imensidão do mar que tanto tem a nos ensinar.

    O pior é que o tempo não tem ferrugem, esse mal na verdade, sem pedir licença, sem que percebamos, sorrateiramente com auxílio do próprio tempo invade a matéria que abriga nosso espírito e começa a nos mostrar o quanto somos frágeis. O incrível é assistir pessoas se intitularem deuses, acreditarem que a terra gira em torno delas, quando não passam, como nós, de meros transeuntes desse mundo terra.

    Engrossam o pescoço, agem como ditadores, se acham imortais, fomentam intrigas, mas esquecem que num estralo de dedo o tempo pode mudar tudo, levar o homem do luxo a miséria, da saúde a enfermidade, do assédio dos bajuladores a solidão do ostracismo.

    Um antídoto importante para retardar a ferrugem da vida é a prática da solidariedade, vivenciar o amor e está sempre sintonizado com os ensinamentos de Deus. Só assim aperfeiçoaremos o espírito para transitar dignamente pela vida e com naturalidade aceitar a morte.


  • "Paraíba exuberante"

    Publicado em Oct 11, 2014

    A Paraíba e seus lugares incríveis e inesquecíveis, onde a natureza nos presenteia com cenários diversos e encantadores.

    É uma pena que muitas vezes nós paraibanos quase sempre não reconhecemos os valores da nossa terra, e de vez em quando preferimos viajar para outros estados, ou mesmo, para os Estados Unidos da América, Europa e até para países da Ásia.

    Com isso, deixamos de fazer o denominado turismo local, perdemos assim a possibilidade de vivenciar in locu nossos esplendorosos pontos turísticos e a própria história da Paraíba. Temos um litoral lindo, porém, quase inexplorado pelos paraibanos.

    Dos filhos desta terra, talvez 10% conheçam verdadeiramente as praias paraibanas. Os turistas que aqui chegam, certamente aproveitam mais de perto essas belezas.

    Residimos na capital paraibana desde 1974. Já percorri diversas praias do Estado, achando que realmente as conhecia plenamente. Ledo engano. Recentemente realizamos um passeio de bugre com destino ao litoral sul. Saí de Tambaú logo cedo da manhã num bugre com destino as paradisíacas praias.

    Com velocidade moderada, passamos pela Estação Ciência, pelas praias dos Seixas, Jacarapé, do Sol até que chegamos à praia de Gramame. Ali fomos apresentados a um goiamum adestrado, atração maior de um dos seus bares. Fizemos algumas fotos do goiamum repousando tranquilamente em nossas mãos e passeando por cima dos nossos ombros. A maré ainda estava cheia. Fiquei por alguns minutos contemplando o encontro do rio Gramame com o oceano.

    Presenciamos a força inexplicável da natureza, onde o mar puxava rapidamente as águas do rio Gramame para si, ao tempo em que fazia surgir bancos de areia.

    Aproveitando a maré seca, partimos pela beira-mar. Visualizamos enormes e belas falésias. Depois retornamos ao asfalto. Mais adiante o bugueiro disse que ia nos levar um dos mais exuberantes lugares daquele litoral, uma ponta de falésia, altíssima, denominada “O Dedo de Deus”. Saímos da pista de rolamento e entramos por um caminho estreito de terra, que mais parecia um braço.

    Andamos até que nos deparamos com outras veredas. Numa delas, segundo guia, era o caminho para o Dedo de Deus. Pediu, então, que fechássemos os olhos. Assim o fizemos. Logo depois abrimos e descortinamos um cenário divino. Estávamos no topo do Dedo de Deus, um penhasco com formato de dedo, com a visão voltada para a praia de Coqueirinho.

    Fascinante, o céu azul, o mar, rochas, o verde da mata, a falésia, enfim, a praia de Coqueirinho indescritivelmente bela. Poucos paraibanos conhecem esse local, verdadeiramente paradisíaco. A Paraíba é rica, pobres são aqueles que dizem o contrário.


  • "Livre-arbítrio"

    Publicado em Oct 21, 2014

    Livre-arbítrio é a vontade livre de escolha, a capacidade que o homem tem de se determinar por si mesmo, de agir ou não agir, sem ser constrangido a isso por força alguma.

    Paras os cristãos, o livre-arbítrio passa pela condição que Deus dá ao homem para agir e ser livre, com autonomia de realizar e definir suas próprias escolhas, incluindo-se aí aquelas que não estão de acordo com a vontade divina.

    É aquela história, Deus tem o poder de impedir que o homem faça o bem e o mal, porém, permite que o homem decida o caminho a ser seguido, ele é o responsável pelos seus próprios atos.

    Já o espiritísmo, explica que toda causa provoca um efeito e que todo efeito advém de uma causa. Com isso, Deus aparece como a causa primária de todas as coisas.

    Enfoca, ainda, que o livre-arbítrio ganha proporções maiores à medida que o grau de evolução moral e intelectual do espírito se desenvolve. Nesse contexto, o livre-arbítrio é a liberdade de escolha que temos dentro das limitações que nos impomos por falta de evolução moral e intelectual, enfim, falta de conhecimento.

    É privilégio fundamental da essência humana. É algo difícil de ser exercitado. Muitas vezes o livre-arbítrio encontra pela frente a dúvida de agir pela razão ou pelo coração.

    Àqueles com espírito evoluído, terão a prudência de sopesar o seu agir ou não agir, pois é inegável que ele precisa observar os bons costumes, aspectos religiosos, passando ainda por fatores morais e éticos, pois só assim, terá condições de manifestar seu livre-arbítrio.

    Essa maturidade é como se a vontade transparecesse buscar o bem. Mas, quantos bens existem no mundo? São inúmeros, alguns imperfeitos, outros tão distintos, mas mesmo assim, com equílibrio espiritual e sob a égide do livre-arbítrio é possível decidir o caminho a ser trilhado.

    Pode até parecer que essa observância transpareça um sistema de pressão em relação ao livre-arbítrio, porém, na nossa visão pode até ser, mas é preciso para que ocorra equilíbrio no instante da escolha a ser adotada.

    Esse equilíbrio decorre justamente do aperfeiçoamento espiritual, que viabiliza a maturidade de avaliação do contexto vivido, a fim de encaminhar o homem para uma decisão que fique entre os impulsos dos desejos e a própria razão.

    O homem necessita ser livre, mas, precisa observar todos esses aspectos acima enumerados, pois terá assim o principal instrumento para utilizar no aplanar da denominada Pedra Bruta.

    Deve buscar sempre decidir sob a influência do equilíbrio e conversando com Deus, pois assim, conseguirá o aperfeiçoamento tão desejado no campo espiritual.